"Como criar uma fintech?" e "quanto precisa para abrir uma fintech?" têm sido dúvidas recorrentes entre empreendedores. E não é para menos, já que o mercado atrai cada vez mais investidores e conta com muitas possibilidades para que uma empresa possa oferecer serviços financeiros, como criar um banco digital, e ampliar seu faturamento.

Empreendedores e empresas de qualquer segmento que desejam atuar nesse setor podem optar por dois caminhos: desenvolver um código próprio desde o início ou contratar soluções de fornecedores do mercado.

Neste artigo, vamos te ajudar a entender as possibilidades e ações necessárias para tirar a sua ideia do papel ainda este ano. Acompanhe!

Cenário das fintechs em 2021

As fintechs estão na contramão da crise econômica imposta pela Covid-19. As taxas de juros seguem mais baixas e a crescente demanda pela digitalização deverá fazer com que os investimentos aumentem ainda mais neste ano, segundo os especialistas no setor.

Em 2020, apenas no Brasil, os aportes ultrapassaram US$ 939 milhões, segundo pesquisa divulgada pelo Distrito, hub de inovação para startups. Com isso, o crescimento em relação ao ano anterior foi de 34% no país.  

O Banco Central é responsável por toda a regulamentação das fintechs. Além dessa medida, os novos lançamentos do PIX, o processo de Open Banking e a ampliação de novos mercados são combustíveis importantes para o setor.

Mas afinal, como criar uma fintech?

Antes de pensar em como criar uma fintech, você precisa de fato entender o real motivo de fazer isso. Afinal, quais dores dos seus clientes serão solucionadas com a sua ideia inovadora?

É preciso se permitir inovar, apostar na dinâmica, agilizar os processos e eliminar a burocracia. Planeje, crie estratégias e viabilize a sua ideia por meio da busca por sócios e parceiros, caso seja necessário.  

Separamos aqui três passos fundamentais para que você possa entender como criar uma fintech. Atenção a cada um deles:

1. Entenda o mercado

O que o público precisa e como você vai ofertar essa solução? Conheça - por meio de pesquisas, estudos e comunicação com os consumidores - todos os anseios, expectativas e procure atendê-las sempre.

Quem de fato é o seu público, o que ele precisa e como a sua fintech pode resolver essa necessidade? Segmentação pode restringir o alcance, mas aproxima e causa reconhecimento.

Além disso, você precisa estar atento às regulamentações legais impostas pelo Banco Central. Caso seja necessário buscar ajuda para entender temas que não domina, não perca tempo.

2. Foque na tecnologia

Existem diversos caminhos que podem ser seguidos na hora de criar uma fintech. Uma das soluções mais relevantes, que permitem às empresas de outros segmentos ofertar serviços financeiros e bancários por exemplo, são as plataformas white label.

Por meio delas, uma empresa consegue inserir a identidade de sua marca em soluções flexíveis capazes de adaptar o negócio às necessidades do seu público. Porém, essa não é a única opção. Outra possibilidade, por exemplo, é desenvolver o código de uma solução totalmente do zero.

Nesses e em outros casos, é fundamental buscar a assessoria de uma empresa de tecnologia que tenha experiência em fintechs e conheça todas as regulamentações exigidas para auxiliar nesse processo.

Aqui na Flint, atuamos tanto com o desenvolvimento quanto com assessoria para escolher as soluções com melhor custo-benefício do mercado de acordo com as necessidades de cada projeto.

3. Opte por desenvolver uma solução do zero ou contratar uma solução pronta

Como já dito anteriormente, sua empresa pode desenvolver um código próprio desde o início ou contratar soluções de fornecedores do mercado. Nessa hora, contratar uma assessoria de tecnologia é importante para identificar as opções com melhor custo-benefício.

Importante ressaltar que uma assessoria em tecnologia para fintechs é capaz de oferecer conhecimento e experiência, velocidade de desenvolvimento, redução de custos, melhores resultados em menos tempo e níveis de segurança mais altos, entre outros benefícios.

Quanto precisa para abrir uma fintech?

Como qualquer outro negócio, a abertura de uma fintech envolve questões como custos fiscais, capital inicial, registro de marca, infraestrutura, contratação de colaboradores, marketing e outras despesas fixas mensais.

É fundamental entender ainda que o valor que será investido em sua fintech dependerá da oferta de serviços, do nível de personalização e da tecnologia utilizada nas soluções para os clientes.

Contudo, a dica mais valiosa que podemos dar é: para otimizar recursos, busque parcerias com empresas especializadas no assunto e com experiência suficiente para entregar as melhores soluções. Dessa maneira, poderá fazer um investimento mais eficiente.


Se você precisa de ajuda para desenvolver uma solução ou quer uma assessoria para escolher fornecedores, entre em contato conosco agora mesmo em nosso site. Basta clicar aqui.