As novas tecnologias têm causado uma verdadeira revolução no mercado, promovendo a inovação de diversos produtos e serviços. Diante deste cenário cada vez mais empreendedor, segmentado e que prioriza as reais necessidades dos seus clientes, startups e fintechs assumem papel de protagonismo.

Neste artigo, explicamos melhor os conceitos fintech e startup, suas principais diferenças e alguns exemplos de fintechs que também podem ser definidas como startups. Boa leitura!

O que é uma startup?

Para que você entenda melhor a diferença entre fintech e startup, precisa conhecer separadamente o conceito de cada uma delas. Por conta disso, começamos explicando como são definidas as startups.

Elas são entendidas como empresas que desenvolvem um ou mais produtos inovadores, com real valor oferecido para os clientes e que tenham potencial de um rápido crescimento. Entretanto, por estarem em estágio inicial, levam certo tempo para apresentar lucro.

A principal diferença da startup para uma pequena ou média empresa é que ela não precisa esperar um capital inicial para começar o negócio. Elas contam com o uso de tecnologias digitais para buscar financiamento e crescer. Entre suas principais características estão:


  • Ser escalável: podem aumentar sua produção e vendas sem necessariamente terem que aumentar despesas;
  • Ligação com tecnologia: as tecnologias têm papel importante na garantia da inovação e para atender necessidades de mercado;
  • Baixo custo: o custo comparado ao seu crescimento exponencial é muito inferior;

O que é fintech?

Já uma fintech, união das palavras “financeiro” e “tecnologia”, pode ser definida como uma startup que atua e se desenvolve preocupada em solucionar os problemas existentes no mercado financeiro, também por meio de produtos e serviços inovadores.

Entre suas soluções estão contas digitais, cartões de crédito e débito, empréstimos, seguros e outros serviços referentes às instituições financeiras tradicionais. Contudo, oferecem um serviço 100% online e mais intuitivo, além de taxas inferiores ou gratuitas, como no caso das anuidades dos cartões de crédito, e muito menos burocracias.

Exemplos de fintechs que também são startups

Como você já deve ter percebido ao longo do texto, algumas empresas podem sim ser classificadas como fintechs e startups. Abaixo, listamos alguns exemplos:

  • Aarin: plataforma de pagamentos especializada e exclusiva para PIX;
  • Credifit: plataforma digital que atua como Sociedade de Crédito Direto (SCD);
  • ZigPay: plataforma inovadora para a gestão de consumo e pagamento cashless no mercado de Live Events brasileiro;
  • Nubank: pioneira no segmento de serviços financeiros;
  • PicPay: aplicativo de pagamento;
  • Creditas: plataforma deempréstimos com taxas inferiores às do mercado;
  • PagSeguro: meio de pagamento que atende às vendas online e offline.

Existe diferença de fato entre fintechs e startups?

A diferença entre fintech e startup mais notável é o segmento de atuação. Uma startup, de modo geral, pode atuar em qualquer segmento de mercado, como alimentação, tecnologia, vestuário, seguros e outros. Já uma fintech, como dito anteriormente, trabalha com soluções voltadas exclusivamente para o mercado financeiro.

Agora que você já compreendeu todos os conceitos e tem uma ideia inovadora de fintech, gostaríamos de fazer um convite: acesse nosso site e confira todas as informações de como podemos ajudar o seu negócio.