O volume total de fintechs e iniciativas de eficiência financeira em todo o Brasil chegou a 771 em agosto deste ano. Se comparado às 604 existentes em junho de 2019, os dados divulgados pela 9ª edição do Radar Fintechlab — maior referência nacional na observação do desenvolvimento deste ecossistema — representam um crescimento de quase 28%.

Acompanhe conosco este artigo para conferir mais informações sobre o crescimento no setor de fintechs, quais são as categorias com mais empresas e ainda as oportunidades que estão surgindo. Boa leitura!

Crescimento das fintechs no último ano

O ecossistema de fintechs no Brasil registrou 270 novas empresas entre julho de 2019 e agosto deste ano, o que chama a atenção para o grande número de novas iniciativas. O estudo feito pelo FintechLab revela ainda que outras 100 fintechs deixaram de operar no período.

“É um forte indício de que são startups que possuem menos de um ano de existência. Isso comprova mais uma vez que o ecossistema continua encontrando oportunidades para melhorar serviços e criar soluções novas muito fortemente influenciadas pelos avanços regulatórios como o Open Banking e o PIX, por exemplo”, afirmou Fábio Gonsalez, cofundador do FintechLab.

Em julho de 2020, outra pesquisa, o Distrito Fintech Report 2020, já tinha apontado que o mercado de fintechs no Brasil é responsável por empregar mais de 40 mil pessoas e trazer grandes benefícios para negócios e clientes.

Categorias com mais fintechs: pagamentos, gestão financeira e empréstimos

Ao fazer uma análise mais detalhada das modalidades que fazem parte do ecossistema de fintechs no Brasil, o FintechLab verificou que o setor de pagamentos segue como destaque. Ele manteve sua posição como principal motor do crescimento no setor de fintechs brasileiras.

Agora, o segmento de pagamentos conta com 190 empresas contra as 151 que tinha no ano anterior, representando um aumento de 26%. Em seguida, estão as iniciativas de gestão financeira, com 122 empresas, e empréstimos, que atualmente conta com 114.

Confira a lista com os seis principais setores de empresas que fazem parte do mercado de fintechs brasileiro:

  • Pagamentos: 190;
  • Gestão financeira: 122;
  • Empréstimos: 114;
  • Investimentos: 59;
  • Cryptocurrency (criptomoeda): 55;
  • Seguros: 28.

Espaço para oportunidades: open banking e segunda onda de startups financeiras

O aumento expressivo de fintechs no último ano pode sinalizar o surgimento de uma segunda onda de startups financeiras, de acordo com Marcelo Bradaschia, também cofundador do FintechLab.

“Ao estabelecer o Open Banking, as autoridades reguladoras empoderam ainda mais o consumidor que se torna proprietário absoluto dos seus dados. Por outro lado, se criam oportunidades de ampliação da colaboração entre instituições financeiras tradicionais e fintechs enquanto os pagamentos instantâneos popularizam ainda mais as soluções tecnológicas como facilitadoras das vidas das pessoas”, revelou Bradaschia.

Ainda de acordo com ele, o surgimento desse novo mercado de fintechs possibilita a construção de modelos ainda não utilizados e representa novas oportunidades que farão surgir outras fintechs.

Por fim, vale destacar que as 771 empresas mencionadas neste artigo correspondem ao total de fintechs propriamente ditas somadas as plataformas dedicadas à eficiência financeira.

Neste estudo, são consideradas fintechs as empresas ou iniciativas que trazem novas abordagens e modelos de negócios em serviços financeiros, além de serem escaláveis, principalmente por meio do uso de tecnologias.

Já as iniciativas denominadas de eficiência financeira são organizações que atuam por meio de bureaus de informações, soluções de prevenção à fraude, biometria, blockchain eanalytics, além de outras tecnologias e serviços.

O crescimento do mercado de fintechs revela que é preciso estar atento às mudanças que o mundo financeiro passa, além dos novos hábitos de comportamento dos consumidores.

Por isso, convidamos você a antecipar-se à segunda onda, descobrindo como o Double Diamond é utilizado pela Flint para criar produtos de tecnologia financeira.