Investimentos cada vez mais robustos e inúmeras oportunidades de inovar no mercado têm despertado em diversos empreendedores a ideia de criar uma fintech.

O setor segue em crescimento mesmo diante da crise sanitária mundial e em 2020, apenas no Brasil, obteve mais de US$ 939 milhões em aportes, de acordo com uma pesquisa do Distrito, hub de inovação para startups.

Entretanto, antes de se preocupar com questões relacionadas à regulamentação e valores que deverão ser investidos, o primeiro passo para criar uma fintech é validar a sua ideia de negócio. Por esse motivo, vamos falar neste artigo sobre o conceito de validação e a sua importância em oito passos. Acompanhe!

Importância da validação da ideia de negócio

A validação pode ser definida como um método utilizado para entender se determinado público tem interesse no produto ou serviço que será desenvolvido por sua empresa. Isso é feito por meio da criação de um plano de ação bem estruturado.

Por meio desse processo, você minimiza o receio e a insegurança, evitando que uma excelente ideia de fintech seja deixada de lado. A validação é fundamental para apontar bons caminhos, antecipar resultados e sinalizar a necessidade de ajustes, caso sejam necessários.

Antes mesmo da sua empresa investir recursos financeiros, tempo de trabalho e energia de toda equipe responsável pelo desenvolvimento, a validação da ideia do negócio dirá se a solução é tecnicamente viável e lucrativa. Isso trará mais clareza, assertividade e alinhamento com as dores do seu público de interesse.

Oito passos para validar sua ideia de fintech

Como já dito no início do texto, a validação é a etapa inicial para que você possa entender como criar uma fintech. Por isso, acompanhe os oito passos principais que separamos para realizar o processo.

1. Avalie de forma objetiva sua ideia de fintech

Após ter aquela ideia que parece genial aos seus olhos, chega a hora de pesquisar de forma minuciosa para entender se alguma empresa já pensou sobre isso antes e de que forma viabilizou ou não a mesma.

Entretanto, mesmo que o serviço ou produto pensado já exista, não vale a pena abandonar a ideia imediatamente. Você pode agregar mais valor ou criar diferenciais para se destacar no mercado.

2. Faça uma pesquisa de mercado

Aqui você precisa acumular conhecimento sobre diferentes cenários, o máximo possível de referências, artigos científicos, regulamentação de fintechs e, principalmente, quem são seus principais concorrentes e de que forma eles trabalham.

3. Saiba qual é o seu diferencial

Antes de iniciar a sua fintech, saiba exatamente o que te diferencia de seus concorrentes. Projete todos os benefícios específicos que a sua solução é capaz de oferecer.

4. Busque feedbacks

Converse com o máximo de pessoas confiáveis possíveis que tenham conhecimento sobre o tema que envolve a sua ideia. Nesta etapa, é muito importante anotar todas as críticas construtivas recebidas para tentar potencializar o que você pensou inicialmente.

5. Construa um MVP

Sempre que falamos em validação, é fundamental criar um MVP (Mínimo Produto Viável) para testar a materialidade da sua ideia. Ao criar um protótipo da ideia, a sua empresa poderá testá-la na prática sem que exista a necessidade de um grande investimento de recursos financeiros e humanos.

6. Construa uma identidade

Seu MVP teve um resultado satisfatório? Então chegou a hora de dar um passo a mais. Construa a identidade de sua marca pensando sempre nas ações de comunicação e marketing que poderão ser tomadas. Planeje também todos os canais de veiculação de informações, como site e redes sociais.

7. Procure parceiros de mercado

Você pode estar se perguntando "quanto precisa para abrir uma fintech", certo? Contudo, buscar bons parceiros de mercados vai te ajudar a viabilizar a sua ideia. Conecte-se a pessoas e organizações que possam gerar bons frutos junto com a sua empresa, como uma assessoria em tecnologia para fintechs.

8. Conte com uma assessoria para validar a sua ideia

Uma assessoria especializada vai garantir mais conhecimento e experiência para validar a sua ideia. É importante saber que existem muitos produtos e ferramentas disponíveis no mercado para o desenvolvimento de fintechs, como BaaS, whitelabels e módulos.

Por esse motivo, é fundamental entender quais são as melhores soluções e integrações ao montar um produto ou serviço, em um mercado cada vez mais dinâmico e com prazos mais curtos a cada dia.


Se você tem uma ideia de fintech e quer validá-la, entre em contato com a Flint. Somos uma assessoria em tecnologia especializada no mercado financeiro e teremos prazer em ajudar a tornar seu negócio realidade. Acesse nosso site e solicite um orçamento.